Câncer de pulmão: “o jogo dos sete erros”

Vamos brincar de encontrar as contradições? Leia a postagem anterior e me diga quais parágrafos contradizem os resultados da pesquisa! Numerei cada parágrafo para a brincadeira 🙂

Índice glicêmico dos alimentos ligado ao risco de câncer de pulmão em populações selecionadas

Estudo identifica associações mais significativas naqueles que nunca fumaram

Data: 4 de março de 2016
Fonte: University of Texas, M. D. Anderson Cancer Center

Síntese: Consumir alimentos de elevado índice glicêmico (IG= uma classificação do quão rapidamente carboidratos elevam a glicemia) foi independentemente associado com um risco aumentado de desenvolver câncer de pulmão em brancos não-hispânicos, segundo um novo estudo epidemiológico da Universidade do Texas, MD Anderson Cancer Center.

  1. Esta pesquisa, publicada no Cancer Epidemiology, Biomarkers & Prevention, um periódico da Associação Americana para Pesquisa do Câncer, representa o maior estudo para investigar possíveis ligações entre o índice glicêmico (IG) e o câncer de pulmão. Os achados também revelaram pela primeira vez que o IG estava mais significativamente associado com risco de câncer de pulmão em subgrupos específicos, tais como indivíduos que nunca fumaram e aqueles diagnosticados com o subtipo de câncer de pulmão carcinoma de células escamosas (CCE).
  2. Em nível nacional (EUA), o câncer de pulmão é o segundo câncer mais comum em homens e mulheres, mas é de longe a principal causa de mortalidade por câncer, com mais de 150.000 mortes por câncer de pulmão previstas para 2016 nos EUA, de acordo com a Sociedade Americana de Câncer. Enquanto o consumo de tabaco é a principal causa de câncer de pulmão, ele não representa todos os casos, particularmente entre aqueles que nunca fumaram.
  3. Evidências crescentes sugerem que fatores nutricionais podem modular o risco de câncer de pulmão, explicou o professor de epidemiologia e autor sênior do estudo Xifeng Wu, MD, PhD.
  4. Dietas ricas em frutas e vegetais podem reduzir o risco, enquanto que foi demonstrado que o aumento do consumo de carne vermelha, produtos lácteos e gorduras saturadas aumentam o risco de câncer de pulmão.
  5. O índice glicêmico (IG) é uma medida da qualidade dos carboidratos na alimentação, definido por quão rapidamente se eleva a glicemia após uma refeição. Estudos prévios investigaram associações entre IG e carga glicêmica (CG), uma medida relacionada à quantidade de carboidratos e risco de numerosos outros tipos de câncer.
  6. “Dietas de alto índice glicêmico resultam em glicemia e insulinemia mais elevadas, que promovem perturbações nos fatores de crescimento semelhante à insulina (IGFs),” disse Stephanie Melkonian, pesquisadora de pós-doutorado da equipe de Wu e principal autora do estudo. “Pesquisas anteriores sugerem que níveis aumentados de IGFs estão associados com maior risco de câncer de pulmão. No entanto, a associação entre risco de câncer de pulmão e índice glicêmico não estava clara.”
  7. Para esclarecer as associações entre IG, CG e risco de câncer de pulmão, os pesquisadores entrevistaram 1.905 pacientes da clínica MD Anderson recém-diagnosticados com câncer de pulmão e 2.413 indivíduos saudáveis recrutados nas clínicas Kelsey-Seybold. Os participantes reportaram hábitos alimentares e histórico de saúde. IG e CG na dieta foram determinados usando valores publicados de IG de alimentos, e os sujeitos foram divididos em cinco grupos iguais, com base nos valores consumidos de IG e CG.
  8. “Observamos um risco 49% maior de câncer de pulmão entre indivíduos com maior IG diário em comparação com aqueles com IG diário menor”, disse Wu. “As associações foram mais acentuadas entre indivíduos que nunca foram fumantes, diagnosticados com carcinoma de células escamosas ou tinham menos de 12 anos de escolaridade.”
  9. Curiosamente, a CG não teve nenhuma associação significativa com o risco de câncer de pulmão. “Isto sugere que é a qualidade média, em vez da quantidade de carboidratos consumidos que pode modular o risco de câncer de pulmão,” disse Wu.
  10. Ao investigar indivíduos que nunca fumaram no estudo, os pesquisadores descobriram que aqueles no grupo de IG mais alto tinham mais do que o dobro da probabilidade de desenvolver câncer de pulmão do que aqueles no grupo de IG mais baixo. O risco entre os fumantes foi somente 31% mais elevado entre os dois grupos. Os efeitos relativamente brandos de um fator de risco tal como o IG são mais evidentes na ausência do fator de risco dominante, explicou Wu.
  11. Os pesquisadores também notaram associações mais fortes naqueles diagnosticados com CCE e naqueles com escolaridade mais baixa. Os membros do grupo de IG mais alto estavam 92% mais propensos a desenvolver o subtipo de CCE em relação ao grupo de IG mais baixo, possivelmente devido à influência de IGFs elevados no desenvolvimento do CCE.
  12. Entre aqueles com menos de 12 anos de escolaridade, os indivíduos do grupo de maior IG estavam 77% mais propensos a desenvolver câncer de pulmão do que aqueles do grupo de IG mais baixo. Isto contrasta com a elevação de risco em apenas 33% para os  indivíduos com mais de 12 anos de escolaridade.
  13. Os autores observam que o nível educacional é um indicador de status socioeconômico que tem sido associado com a qualidade da dieta e o hábito de fumar. Assim, as associações entre IG e escolaridade podem refletir o impacto conjunto de uma dieta pobre e fumo no risco de câncer de pulmão.
  14. Os autores reconhecem várias limitações no estudo, inclusive ter-se restringido a brancos não-hispânicos. Além disso, este foi um estudo retrospectivo, sujeito a erros na lembrança de refeições anteriores, e o estudo não levou em conta diabetes, hipertensão ou doença cardíaca nos indivíduos.
  15. Para validar uma relação causal entre IG e câncer de pulmão, futuros trabalhos deverão incorporar estudos de coorte prospectivos em outros grupos étnicos. Os pesquisadores também gostariam de investigar os mecanismos subjacentes pelos quais o IG pode influenciar o risco de pulmão e outros cânceres.
  16. Enquanto que recomendações nutricionais específicas não podem ser feitas com base nestes resultados, os autores sugerem limitar alimentos e bebidas de alto IG, como pão branco, sucrilhos e flocos de arroz, para manter uma dieta mais equilibrada e para diminuir o risco de câncer de pulmão e doenças crônicas.
  17. Exemplos de alimentos de baixo IG incluem pães de trigo ou centeio integrais, aveia e massas integrais.
  18. “Os resultados deste estudo sugerem que, além de manter um estilo de vida saudável, evitando o tabaco, limitando o consumo de álcool e manter-se fisicamente ativo, a redução do consumo de alimentos e bebidas com índice glicêmico elevado pode servir como um meio para diminuir o risco de câncer de pulmão,” disse Wu.

Story Source:
A postagem acima foi reproduzida a partir de material fornecido pela University of Texas, M. D. Anderson Cancer Center. Nota: O material pode ter sido editado em conteúdo e extensão.

Referência do artigo:
S. C. Melkonian, C. R. Daniel, Y. Ye, J. A. Pierzynski, J. A. Roth, X. Wu. Glycemic Index, Glycemic Load, and Lung Cancer Risk in Non-Hispanic Whites. Cancer Epidemiology Biomarkers & Prevention, 2016; 25 (3): 532 DOI: 10.1158/1055-9965.EPI-15-0765

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedintumblrmail